A importância do combustível

Tomo a liberdade de uma pequena comparação para falar da importância da oração, da vida sacramental, da leitura orante da Palavra de Deus, da caridade e da prática do bem para quem deseja viver e vencer na vida cristã.

Tomemos como exemplo uma corrida de carros. De um lado temos um carro da Fórmula Um e de outro lado temos um fusquinha velho.

Quem vai ganhar a corrida? A lógica seria logo afirmar que é o carro da Fórmula Um.

Vejamos: ele tem tudo melhor em condições de potência do motor, da tecnologia, de mecânica, de estabilidade. Tudo isso é muito importante e até “quase” determinante, mas falta um elemento indispensável: O COMBUSTÍVEL. Este carro não pode nada se estiver com o tanque vazio.

O fusquinha ou como se fala no sul do Brasil, o fuquinha, com toda a mecânica ultrapassada, com uma potência muito inferior, com pneus quase do tempo da carroça, a princípio não teria as mínimas condições de competir e de vencer a corrida, mas ele está com o tanque cheio. Em consequência ele terá todas as condições de vencer.

Outra questão é: na largada os dois tem combustível igual, mas o motorista do carro da Fórmula Um vai passando em frente aos pontos de abastecimento e não reabastece e por isso, ele que começou largando na frente, vai ficar sem o combustível e para no meio do caminho. Daqui há pouco vai ver o velho fusquinha que foi mais devagar, mas sempre parando nos pontos de reabastecimento, ultrapassar o carro parado e sem condições de continuar seu caminho.

Assim somos todos nós cristãos. Começamos muito bem com batismo, primeira comunhão, crisma e às vezes até casamento ou votos da vida religiosa, ou ainda ordenação de padre ou bispo. Quando paramos de “nos abastecer” com a oração diária, com a Eucaristia e os demais sacramentos, com a leitura orante da Palavra de Deus e outros exercícios espirituais, práticas da caridade, da solidariedade, da misericórdia, vamos esvaziando nosso “tanque” de combustível da vida cristã e daí a pouco, paramos na vida cristã.

Outros cristãos/cristãs de outras igrejas e ESPECIALMENTE PESSOAS DE OUTRAS RELIGIÕES NÃO CRISTÃS OU QUE NEM TEM RELIGIÃO, MAS VIVEM O AMOR A CARIDADE, embora não tenham todas as chances que nós temos por meio de Jesus Cristo e sua Igreja, vão passando à nossa frente e “no dia da chegada” diante de Deus recebem a “bandeirada” da vitória bem antes de nós.

Não é suficiente se dizer cristão sem viver como cristão.

Vida cristã é muito mais do que apenas ser batizado e fazer a primeira comunhão ou mesmo ir na missa todos os domingos.

SEM NOS REABASTECER DIARIAMENTE DE JESUS, NÃO TEMOS CONDIÇÕES DE CHEGAR À VITÓRIA FINAL.

Por Dom Guilherme Antônio Werlang – Bispo de Ipameri (GO)