Cardeal Aviz comenta apelo do Papa sobre refugiados

Uma semana depois do apelo do Papa Francisco para que as paróquias europeias acolham os refugiados, a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica começaram a se mobilizar.

A Congregação abrange todas as ordens e institutos religiosos do mundo, a quem Francisco já havia se dirigido no início do seu pontificado, pedindo maior abertura.

O presidente da congregação, Cardeal João Braz de Aviz, afirmou que não existe ainda uma decisão, mas já pode ser visto que alguns começaram não só a pensar, mas a acolher essa ideia.

“E é uma repercussão que não está havendo só em Roma, mas todo o mundo já começou. Esse é um caminho bom. Alguns países influenciados também pela posição do Papa estão mudando seu modo de pensar e estão começando a acolher.”

Disse ainda que ficou contente em ver que o Brasil se abriu aos imigrantes, uma vez que o país está em crise tanto política e econômica.

“Eu pude sentir essa crise econômica, sobretudo a crise política que causa a crise econômica, porque essa crise não veio por si. O Brasil estava em uma posição muito boa, mas agora, praticamente a divisão dos três poderes que não se encontram, não dialogam, acusações recíprocas, o enfraquecimento completo do poder executivo, a divisão do brasil em dois grupos, porém que não se entendem bem, o povo não quer oposição, eles querem solução do problema”.

Ao concluir, o Cardeal Aviz diz que apesar do Brasil estar em um momento dificíl, é interessante essa postura de acolhimento para com os refugiados. “Estamos em um momento complicado, e no entanto interessante essa postura de abertura para acolher os que vem de fora, isso pra mim é sinal da beleza do nosso povo. Tomara que continue assim.

Por Canção Nova, com Rádio Vaticano