Papa em Copacabana: a receita para uma vida plena e cheia de sentido

O Papa Francisco foi acolhido nesta quinta-feira por uma multidão de jovens na praia de Copacabana, em seu primeiro evento oficial na JMJ Rio2013. Em dois discursos, apresentou-lhes Jesus Cristo como mestre e amigo.

 

“Olhando para este mar, para a praia e todos vocês, me vem ao pensamento o momento em que Jesus chamou os primeiros discípulos a segui-lo nas margens do lago de Tiberíades. Hoje Jesus ainda pergunta: Você quer ser meu discípulo? Você quer ser meu amigo?”, disse Francisco.

 

O Papa havia chegado no cair da tarde a Copacabana. Uma multidão estimada em um pouco mais de 1 milhão de pessoas o aguardava. A festa de acolhida da JMJ teve muita música, encenações teatrais, apresentações regionais e momentos de espiritualidade.

 

Francisco improvisou ou acrescentou algumas palavras aos seus discursos oficiais, como quando afirmou que os jovens eram guerreiros por vencerem, em nome da fé, o frio e a chuva. Disse também que um bispo não pode entristecer na sua fé. E recordou que Bento XVI acompanhava pela televisão e pediu que todos lhe fizessem uma forte saudação.

 

“Hoje, vim para lhes confirmar nesta , a fé no Cristo Vivo que mora dentro de vocês; mas vim também para ser confirmado pelo entusiasmo da fé de vocês”, disse o Papa em sua saudação inicial.

 

No discurso no decorrer da Celebração da Palavra, o Papa indicou aos jovens que, para ter uma vida cheia de sentido e plenitude, é preciso “botar fé”.

 

“‘Bote fé’ e a vida terá um sabor novo, terá uma bússola que indica a direção; ‘bote esperança’ e todos os seus dias serão iluminados e o seu horizonte já não será escuro, mas luminoso; ‘bote amor’ e a sua existência será como uma casa construída sobre a rocha, o seu caminho será alegre, porque encontrará muitos amigos que caminham com você. ‘Bote fé’, ‘bote esperança’, ‘bote amor’!”

 

“Mas quem pode nos dar tudo isso? No Evangelho, escutamos a resposta: Cristo.” “Hoje, lhes digo com força: ‘Bote Cristo’ na sua vida, e você encontrará um amigo em quem sempre confiar; ‘bote Cristo’, e você verá crescer as asas da esperança para percorrer com alegria o caminho do futuro; ‘bote Cristo’ e a sua vida ficará cheia do seu amor, será uma vida fecunda.”

 

O Papa afirmou que “a fé realiza na nossa vida uma revolução que podíamos chamar copernicana, porque nos tira do centro e o restitui a Deus; a fé nos imerge no seu amor que nos dá segurança, força, esperança. Aparentemente não muda nada, mas, no mais íntimo de nós mesmos, tudo muda. No nosso coração, habita a paz, a mansidão, a ternura, a coragem, a serenidade e a alegria, que são os frutos do Espírito Santo e a nossa existência se transforma, o nosso modo de pensar e agir se renova, torna-se o modo de pensar e de agir de Jesus, de Deus”. 

 

Francisco chegou ao palco da Festa da Acolhida a bordo do papamóvel, que tomou no Forte de Copacabana. No trajeto pela Avenida Atlântica, as milhares de pessoas que o aguardavam não se contiveram e invadiram a pista, cercando o veículo e fotogrando o Papa com seus celulares e câmeras digitais. Com simpatia, o Papa acenou o tempo todo para a multidão e beijou algumas crianças que foram levadas até ele.

 

Em frente ao palco, a temperatura, em torno de 17 graus Celsius, fria para os padrões cariocas, tornava-se alta para os que encontravam no meio da multidão. Os 4 quilômetros da orla estavam tomados por pessoas vindas dos mais diversos países.

 

As janelas dos prédios localizados em frente à praia estavam iluminadas e cheias de espectadores, que acompanhavam de lá o evento. A quantidade de flashes e bandeiras de diferentes países impressionavam. Apesar da multidão presente e da dificuldade para caminhar entre os fiéis, muitos cadeirantes estavam na festa, e o clima era de tranquilidade e cordialidade.

 

(Com Agência Brasil)