Papa Francisco: os corruptos fazem muito mal à Igreja

Pecadores, corruptos e santos: o Papa Francisco colocou sobre esse tripé sua homilia da Missa celebrada na manhã desta segunda-feira na Casa Santa Marta.

 

O Papa afirmou que os corruptos fazem muito mal à Igreja porque adoram a si mesmos. Já os santos fazem muito bem, porque são a luz da Igreja.

 

Segundo Francisco, sobre os pecadores “não é necessário falar muito, porque todos nós somos”. Nos conhecemos “desde dentro e sabemos o que é um pecador. E se qualquer um de nós não se sente assim, que vá procurar seu médico espiritual”, porque “algo não vai bem”.

 

Em segundo lugar, o Papa destacou o perfil dos que querem se fazer donos da vinha. Essas pessoas “se sentem fortes, se sentem autônomas em relação a Deus”.

 

“Esses, pouco a pouco, vão caindo nesta autonomia, a autonomia da relação com Deus: ‘nós não precisamos deste Senhor, que não venha nos incomodar!’ Esses são os corruptos. Eles, que eram pecadores como todos nós, mas deram um passo além, como se tivessem se consolidado no pecado: não precisam de Deus”.

 

“Mas isso não pode ser, porque no nosso código genético está a relação com Deus – prosseguiu Francisco –. E como isso eles não podem negar, fazem um Deus especial: eles se convertem em Deus. São os corruptos”.

 

Isso – acrescentou o Papa – “é um perigo também para nós”. Nas comunidades cristãs, “os corruptos pensam apenas em seu grupo: ‘muito bem, é nosso’ – pensam –, mas na realidade são eles para si mesmos”.

 

“Judas começou como pecador avaro e terminou na corrupção. É um caminho perigoso, o caminho da autonomia: os corruptos são grandes desmemoriados, esqueceram o amor com o qual o Senhor fez a eles e a vinha. Eles cortaram a relação com este amor. E se converteram em adoradores de si mesmos”. 

 

O Papa destacou ainda o perfil dos santos, recordando que hoje era o 50° aniversário da morte de João XXIII. Falou dos santos como os que “obedecem o Senhor, os que adoram o Senhor, os que não perderam a memória do amor”.